Lágrimas do tempo

Isolado no meio de todos, o pequeno garoto se perguntava por que sua presença nunca era necessária. Escrevendo sobre os inexplicáveis acontecimentos da vida, o pequeno garoto se lamentava pela rejeição sempre ter bloqueado seu caminho e o impedido de seguir em frente. E compondo o que sentia, o pequeno garoto não entendia porque a compreensão do mundo não era capaz de enxergar a emoção que guiava as notas do seu coração.

Aquele pequeno garoto se transformou em homem. Como uma muralha, não mais sentiu a chuva de ásperas palavras e o suspiro amargo de cada manhã. As nuvens negras e o crepúsculo eterno se tornaram companheiros inseparáveis e a neblina que se erguia ao final do gelado entardecer se tornou, durante muitos anos, sua única e verdadeira amiga.

O homem maduro, por mais que tentasse, não pode conter o tempo e contra sua vontade, transformou-se em velho. Sua força e coragem esvaíram-se e, até mesmo, a saúde o havia abandonado. Sem ter por onde fugir e como lutar, pela última vez em sua eterna solidão teve a chance de olhar fundo nas entranhas de sua orgulhosa alma. Quando a última lágrima escorreu por seu envelhecido rosto, deu-se conta de que nunca havia deixado de ser uma inocente criança.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s