Magic!

Era uma sensação diferente tentar descobrir porque ela chamava tanto a minha atenção. Tinha a chance de encontrá-la ao menos uma ou duas vezes por semana durante o caminho de volta até o lar. Pegávamos o mesmo ônibus e sua presença deixava a viagem, no mínimo, muito mais interessante.
.
Não fazia ideia sobre qual seria o seu nome, onde trabalhava nem qual era o seu emprego. Entretinha-me tentando imaginar o que ela gostava de fazer, quais eram seus pratos favoritos ou que tipo de música ela ouvia durante o trajeto. Era engraçado fazer tais indagações, pois tinha certeza que tudo seria muito diferente quando realmente a conhecesse. As únicas coisas que podia afirmar com exatidão eram que trabalhávamos relativamente perto, que ela morava próximo a minha casa (já que sempre descia um ponto antes do meu) e que era incrivelmente linda. Mas quanto a esse último fato não era preciso que ninguém me recordasse. O que eu podia dizer? Ela era mágica!
.
Inúmeras vezes chegava ao ponto e ela já estava a espera de nosso “querido” transporte público. Sempre a observava ao longe. Não precisava muito para que chamasse minha atenção. Apenas um gesto ou um pequeno olhar eram mais que suficientes para que eu ficasse completamente hipnotizado. E isso, posso dizer com sinceridade, não era muito comum acontecer. Já havia apreciado a beleza das mais diversas mulheres – como todo homem costuma fazer –, mas pouquíssimas despertavam meu interesse de tal forma. Isso fazia-me pensar que talvez ela fosse única, e por algum motivo que ainda não conhecia.
.

Image by Charly Meunier

Já havia tentado uma aproximação e lhe entregado um bilhete uma vez quando voltávamos “juntos”. Nunca houve uma resposta. A partir de então passamos a jogar, nos evitando e fazendo o possível para que a troca de olhares nunca ocorresse. Ela, provavelmente, sabia o quanto era bela e não perderia tempo com qualquer um apenas por um pequeno bilhete. Eu só queria mostrar que não me importava, fingindo demonstrar indiferença sempre que nos encontrássemos. Era tudo uma grande mentira, pelo menos da minha parte. Sempre que podia, parava minha leitura para admirá-la, fazendo o possível para que ela não percebesse. Claro que nem sempre conseguia ser tão discreto assim. É engraçado, pois a maioria das pessoas não entende que momentos simples como este podem ser inesquecíveis.

Nunca fui um excelente galanteador, mas a longo prazo geralmente tudo acabava bem. Mulheres gostam de homens de atitude e nem sempre isso é fácil no mundo masculino, porém acreditava estar bem perto disso.

Algumas vezes acabava me perguntando: e se ela namorasse? Se vivesse com alguém? Se fosse ocupada demais ou carregasse infindáveis empecilhos? A verdade é que nada disso importava. Acreditava no meu potencial. Nem sabia ao certo se iríamos mesmo nos conhecer, mas, caso isso acontecesse e ela se apresentasse de uma forma que realmente valesse a pena, lutaria para que ela fosse minha, mesmo que fosse apenas por uma noite.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s