Feriado prolongado

O cigarro passava de mão em mão enquanto percorríamos a estrada. A cerveja no porta copos a minha direita era uma ótima saída para acompanhar a conversa. Como sempre, estava no banco do passageiro fazendo a seleção musical e organizando alguns pensamentos. Plastic Zoo, mais uma vez, assim como eu, continuava em seu lugar habitual: no rádio a um volume considerável e empolgante. Havíamos comprado mantimentos, planejado os eventos posteriores e ansiávamos por um feriado promissor.
.
Já estávamos quase a uma hora na estrada quando problemas não esperados passaram a acontecer. O carro apresentou falhas e ameaçava desligar a qualquer momento. Olhamos o painel e percebendo o quanto tínhamos sido estúpidos, pois não paramos para abastecer. Não colocar combustível foi apenas uma das inúmeras idiotices as quais nos sujeitamos. Também nos demos conta de que o ar condicionado estava acionando durante todo o trajeto, consequentemente, gastando o combustível, que não tínhamos, ainda mais rápido.
.
Image by Kuster & Wildhaber Photography
.
Não preciso me aprofundar na forma como ficamos apreensivos. Love Don’t Love Nobody fazia a trilha sonora do desespero ao mesmo tempo em que pedíamos aos céus para que um posto de gasolina surgisse a qualquer momento. Obviamente, em um certo ponto, o automóvel falharia para não mais funcionar e, claro, isso aconteceu.
.
Estávamos na segunda faixa da esquerda e atravessamos até o acostamento, passando por duas faixas relativamente movimentadas e com o motor completamente desligado. Uma boa manobra de nosso motorista. Tivemos um pouco de sorte e conseguimos estacionar exatamente no ponto no qual havia um telefone de socorro. Ligamos o pisca-alerta e fui incumbido de  pedir ajuda. Quando me postei em frente ao telefone, enxerguei apenas uma grade amarela. Não havia números, gancho e nada que fosse semelhante a um aparelho de telefone normal. Simplesmente não sabia o que fazer e acabei desistindo. Pensando melhor, era possível perceber que minha sanidade não andava 100% aquela altura. Mais uma burrice para completar a noite. Olhei as estrelas e conclui que, realmente, o amor não amava ninguém.
.
image by Andrew Hill
.
Coloquei os pensamentos em ordem e decidi usar o cérebro para algo útil. Telefonei para o 102 e consegui o número da administradora da estrada daquela região. Expliquei-lhes a situação e consegui que mandassem uma rota para averiguar o que havia acontecido. Quando fui avisar que algo bom tinha, finalmente, ocorrido, vi meu companheiro conversando com a grade amarela. Ele, ao contrário de mim, conseguiu usar o telefone de alguma forma que eu não podia entender. Assim que terminou, supliquei para que me mostrasse como utilizá-lo e ele me indicou um gigante botão vermelho que ficava logo abaixo da grade. Ainda não sei como não consegui vê-lo. Já tinha ouvido dizer que o álcool podia nos deixar cego, mas pensava que era a longo prazo. Enfim, existia, agora, dois pedidos de socorro para o mesmo local.
.
Aguardamos cerca de dez minutos até que a ajuda chegasse.  Um socorro bastante eficiente, pois pensava que ficaríamos esperando por algumas horas. A rota levou meu amigo até o posto mais próximo para que nosso pequeno problema fosse solucionado. Tive que aguardar ao lado do veículo até que retornassem.  Depois de mais alguns minutos um caminhão guincho se aproximou e parou em frente ao carro. “Meu Deus! E agora?” Não podíamos levar o carro, porque logo, logo retornariam com o combustível e estaríamos prontos para partir. Expliquei isso ao funcionário, mas ele já sabia do problema. Disse apenas que não poderia me deixar esperando sozinho já que estávamos em uma área de risco. Pelo rádio, avisou a rota que nos encontraríamos todos no próximo posto. Colocar o carro no caminhão foi mais um dos doze trabalhos de Hércules. Eram muitos botões e mecanismos para uma pessoa no estado que me encontrava, porém, com um pouco de concentração, tudo correu razoavelmente bem.
.
Image by Giorgio Galeotti
.
O posto de gasolina mais próximo encontrava-se, para nossa sorte, ou azar, a apenas três ou quatro curvas adiante. A rota estava lá e o caminhão guincho se aproximou. Descemos o automóvel e colocamos a sagrada gasolina. O carro voltou a funcionar e decidimos partir. Não tivemos que desembolsar um centavo sequer. O pedágio custara apenas R$ 2,40. Um serviço de qualidade! Agradecemos e recomeçamos a viagem pensado que tudo seria diferente dali para a frente.
.
A neblina estava um pouco acentuada durante a serra, mas tudo parecia andar bem. Parecia. De repente, freadas bruscas, carros fugindo pela contra mão e um risco eminente de engavetamento. O exímio motorista jogou o carro para esquerda e desviou-nos do perigo. Foi um susto inesperado, que voltou a nos atormentar mais duas vezes, e da mesma forma, durante o caminho. Ainda tenho minhas duvidas sobre o que realmente aconteceu, mas quero acreditar que o condutor não foi negligente em nenhuma delas. De qualquer forma, não estava nas condições ideais para analisar a situação com a profundidade necessária.
.
Imagem de Andreia
.
Após alguns contratempos, conseguimos chegar, inteiros, até o litoral. Estávamos agradecidos por ter superado todos os obstáculos. O sacrifício havia valido a pena e agora tínhamos quatro dias livres pela frente. Sossego, festas e diversão.  Mais um cigarro foi aceso antes de fugirmos para o descanso final.
.
No dia seguinte, assim que levantei, lembrei-me da noite anterior e fui até a varanda para analisar o clima. Estava otimista, mas obtive uma imensa decepção. O céu estava nublado, o tempo chuvoso e a temperatura abaixo dos dezessete graus. Não era nada do que estávamos esperando. Não mesmo. E assim continuou até o fim do feriado.
Anúncios

A jornada

Não seria fácil encontrar um caminho certo pelo qual seguir, mas estava disposto a tentar. Chovia há mais de três dias sem parar. O vento era forte e cortante. Seus amigos já não acreditavam se seria capaz de chegar até o fim e voltar com vida. Apoiando o cajado sobre a terra, se esforçava ao máximo para manter os olhos abertos e continuar, aos poucos, seguindo a estrada.
.
Seus pés e mãos estavam cheio de calos e, das feridas, escorriam pequenas gotas de sangue que ardiam a cada nova queda. As pedras no caminho dificultavam cada vez mais o seu percurso e a areia que arranhava seu rosto com as rajadas do vento transformavam seu medo em algo ainda mais perverso.
.
Image by Dom Crossley
.
Por que tanto esforço e dedicação? A crença e a necessidade de alcançar o perdão verdadeiro o motivavam, e muito. A neblina que se e erguia a sua volta, não lhe permitia enxergar mais de três palmos a sua frente. A fome e a sede eram tão grandes que já não incomodavam mais. Os pensamentos lhe convidavam sempre a desistir. Nem sempre apenas força de vontade e amor próprio são suficientes para seguir em frente.
.
Após muita caminhar, finalmente conseguiu perceber algo novo durante o infernal trajeto.  Uma gigantesca sombra começava a surgir a sua frente. Será que depois de tanto lutar, havia chegado ao seu desejado destino? A neblina pouco a pouco foi cessando e a chuva intensa pela primeira vez parou de cair. Foi o primeiro sorriso que expressou durante toda a jornada. Após alguns metros, o sol voltou a brilhar e ele se deparou com uma enorme mansão que dominava a última parte de terra habitável daquela monstruosa colina. A beira do penhasco, um mundo novo se abriu e a felicidade voltou a reinar em seu peito.
.
Image by Sean MacEntee
.
Aproximou-se lentamente da imensa construção. Enquanto caminhava, retirou com muito cuidado uma carta que estava dobrada ao meio dentro de seu bolso direito da, agora esfarrapada, calça jeans. Ante a porta, encontrava-se uma bela cesta de frutas com um papel indicando seu nome na extremidade. Ajoelhou-se e segurou nas mãos a maçã mais vermelha e bonita do cesto. Deu apenas uma mordida e arremessou a fruta para longe. Colocou com cuidado a carta na caixa do correio e virou-se para o horizonte. Voltou lentamente a caminhar e se aproximou da beira da montanha. Podia sentir a brisa sobre cada parte do seu corpo. Olhou para baixo, mas não era possível enxergar onde acabava a montanha e o mundo recomeçava. Quando parou um segundo para observar o céu, uma estrela cadente cortou o horizonte ao meio. Era a primeira vez que via uma. Deu um grande suspiro e mergulhou para o infinito. Sua missão estava cumprida.

O último adeus

Sentado com o pequeno pinscher em seu colo, tentava se recuperar da incrível maratona de exageros e boemia que sua vida se tornava. Algumas vezes se perguntava em que momento tudo havia mudado tanto e em que parte de sua rotina havia deixado sua inocência para trás. Tinha certeza que era tudo um ciclo que não podia mais ser evitado e que precisava ser extremamente controlado para que todos os seus objetivos não se tornassem um fracasso eminente dali para frente. A cada dia se dava conta que tinha menos tempo a perder.
.
Quando se levantou, ajeitou seu rebelde cabelo de fios loiros e vestiu a camiseta de sua banda favorita. Os jeans já estavam a postos e a chave do carro apenas aguardando ao lado do abajur. Deu a partida e seguiu sem rumo. Os olhos claros refletiam sua sensível instabilidade diante do retrovisor. Não havia um veículo na estrada e nenhuma alma viva pelos arredores.
.
Image by NASA Goddard Space Flight Center
.
Após vários quilômetros percorridos através do breu, percebeu um brilho intenso a sua frente e que se posicionava bem no meio da pista. Foi diminuindo a velocidade ao mesmo tempo que abaixava o volume do rádio. Aproximou- se da luz e estacionou. Não era possível perceber o que estava acontecendo. O brilho exagerado formava uma esfera gigantesca de luz que, por dentro, guardava a silhueta de uma pessoa. Estava incerto se deveria descer e se aproximar. Sentia um calafrio intenso. O pressentimento que algo terrível aconteceria era enorme, mas a curiosidade tomava conta de seus pensamentos. Depois de muito analisar, uma voz suave e muito convidativa ecoou em seus pensamentos:
.
“Aproxime-se. Não seja covarde! O presente mais importante de toda a sua vida está à sua espera. É necessário que dê apenas um passo em direção à luz. Vamos, algo extremamente especial está prestes a acontecer. Os prazeres mais intensos finalmente chegarão até você. Entre… Não tenha medo… Seja muito bem vindo…”
.
Image by Nana B Agyei
.
O medo lhe dominava por completo, mas mesmo assim decidiu avançar. Desceu do carro e lentamente chegou cada vez mais perto. A luz era fortíssima e, caso demorasse um pouco mais, percebeu que logo ficaria cego. Deu um longo suspiro e finalmente entrou. O primeiro passo dentro da incrível luz mudou todos os seus conceitos sobre o mundo que, até aquele momento, conhecia.
.
Estava em um quarto imenso que possuía apenas dois móveis: uma cama de casal gigantesca igual a de reis e rainhas dos séculos passados e um piano de calda preto à sua direita. A gravidade parecia ser diferente, seus passos muito mais leves e as luzes incrivelmente vivas e fortes. Uma varanda se posicionava em frente à cama e deixava a mostra um incrível mar rosado com a praia mais bela que já pudera ver. O som das ondas parecia uma canção e pelo céu completamente azul, choviam estrelas cadentes.
.
Image by Pink Sherbet Photography
.
Quando parou de apreciar o ambiente, percebeu que uma linda mulher o esperava deitada sobre a cama. Era linda. Possivelmente a mulher mais linda que já havia visto. Olhos azuis, cabelos pretos e lisos até as costas. Pele morena e leve como a seda, lábios suaves e uma voz melodiosa que poderia acalmar o mais raivoso animal. Ela o media de cima abaixo enquanto ele se perdia na hipnose que sua anfitriã o havia colocado. Havia se apaixonado intensamente em uma fração de segundos e pela primeira vez conseguiu acreditar que existia amor a primeira vista. Ela estava nua e o chamou para que se deitasse na cama. O medo não existia mais e ele apenas se aproximou e deitou-se ao seu lado. Ela o abraçou intensamente e sussurrou ao seu ouvido.
.
– Saiba que a partir de agora não existe mais volta. Mas não se preocupe, pois todos os seus esforços serão recompensados essa noite. Não tenha medo, porque eu realmente te amo!
Image by Kristaps Bergfelds Seguir
Ele não podia responder. Apenas ouvia e amava intensamente. Ela começou a despi-lo e lhe deu o beijo mais gracioso que já havia recebido. Fizeram amor como em um conto de fadas. A cada beijo, gesto, carinho e abraço sentia- se cada vez mais completo. Jamais havia sido contemplado com algo tão intenso e pela primeira vez o verdadeiro amor inundava seu coração de felicidade. Estava em êxtase e, por pelo menos uma única vez, apreciou um verdadeiro prazer pela vida. Finalmente tudo valia a pena.
.
Ao amanhecer, abriu os olhos e se viu imóvel com os braços e pernas amarrados em cima de uma cruz. Sua linda amada estava sentada ao piano e percebeu que ele havia acordado. Deu-lhe o sorriso mais lindo que uma garota poderia ter e começou a tocar enquanto lagrimas escorriam por seus olhos. Três garotas invadiram o quarto pela varanda. Caíram do céu e se aproximaram da cama. Eram belíssimas, mas, agora, todas eram ruivas e de olhos verdes. Pareciam gêmeas. Nuas e com estacas e martelos nas mãos foram em direção as pontas da cruz. O pavor tomou conta de seu interior e percebeu que por mais que se esforçasse, era impossível mover-se ou gritar. Estava paralisado. As estacas foram colocadas em suas mãos e pés. Ouviu um som ensurdecedor e a dor dominou todos os seus sentidos. A única coisa que podia fazer além de sofrer, era chorar. Após cinco marteladas, foi içado ao ar por uma força invisível. Crucificado, o colocaram na imensa parede em frente à cama. O sangue escorria por seus membros. As garotas saíram pela mesma varanda pela qual haviam chegado. O piano cessou e sua inesquecível anfitriã se aproximou. Deu-lhe um último beijo e desapareceu, deixando-o solitário em um mundo incrível que não conhecia.
.
O sangue e a dor continuaram por mais alguns dias em seu eterno sofrimento. A dor pelo abandono era ainda maior que os ferimentos mortais ao qual estava exposto. Pôde refletir por muito tempo e chorar por mais um amor perdido. No quinto dia, seu coração, finalmente, parou de bater. Ele não teve chance de nem mesmo dizer-lhe um último adeus.